Brasil 19/08/2020 08:10

FGV: auxílio de R$ 600 é quase toda da renda da população mais pobre

O auxílio emergencial de R$ 600 representa quase a totalidade da renda entre a população mais pobre do país.

O auxílio emergencial de R$ 600 representa quase a totalidade da renda entre a população mais pobre do país.

É o que apontou um levantamento da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Ele revela que o benefício, aprovado em março deste ano, tem um peso maior para aqueles com menor renda. Isso significa que uma eventual redução ou interrupção causaria sérios impactos sociais.

De acordo com dados atualizados nesta terça-feira (18/8) pela Caixa Econômica Federal (CEF), já foram pagos, nas cinco parcelas do auxílio emergencial, cerca de R$ 161 bilhões para 66,4 milhões de brasileiros.

Para Daniel Duque, pesquisador da área de Economia Aplicada do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre/FGV), responsável pelo estudo, mesmo que haja um aumento relevante no orçamento do Bolsa Família após o fim do auxílio, a diferença causará grandes perdas para as camadas mais vulneráveis da população, que dependerá mais da recuperação do mercado de trabalho.

O estudo dividiu a população brasileira em decis, com base na renda.

“Entre os 21 milhões que representam os mais pobres, o auxílio corresponde quase à totalidade da renda. No segundo decil, representa cerca de dois terços; já no terceiro, é pouco maior que um terço”, revelou.

Segundo Duque, cerca de 80% dos 21 milhões mais pobres são contemplados pelo Bolsa Família.

“Quando o auxílio acabar, eles vão voltar a receber apenas o Bolsa Família. Não vejo como aumentar o orçamento do Bolsa Família para o Renda Brasil. É triste, não será possível minimizar a perda da renda”, disse ele.

Deu no Correio Braziliense

Ricardo Rosado

Descrição Jornalista