Brasil 13/07/2020 10:10

Administradoras de shoppings amargam prejuízos de R$ 25 bi

Mais de 30% das unidades permanecem fechadas; associação pede urgência em linhas de crédito

Passados mais de 100 dias desde que começaram as políticas de quarentena em todo o país, mais de 30% dos shoppings permaneciam fechados até a última sexta-feira (3), segundo levantamento da Smartus junto à Abrasce (Associação Brasileira de Shopping Centers).

Dos 577 estabelecimentos, apenas 387 (67%) reabriram e mantiveram funcionamento até o fim da última semana.

“A maior concentração está no Estado de São Paulo, com 143 shoppings [reabertos]. Temos visto medidas mais rígidas devido ao avanço da Covid-19 nos municípios. Vale ressaltar que os shoppings seguem um dos protocolos mais rígidos do país para a retomada.

São mais de 20 medidas de prevenção e cuidado com a saúde de toda a cadeia”, afirma nota da Abrasce enviada à Smartus.

De acordo com a associação, o prejuízo até o momento é de R$ 25 bilhões para as administradoras dos shoppings. “Estamos preparados para operar com segurança aos funcionários, lojistas e frequentadores, pois jamais colocaríamos em risco a saúde e a vida das pessoas que trabalham e frequentam nossos shoppings e os veem como ambientes seguros”, pontua a nota.

Apesar de todos os protocolos, em algumas cidades os shoppings reabriram no início de junho, mas tiveram que fechar novamente as portas no decorrer do mês em atendimento a decretos municipais. São os casos de Campinas, Florianópolis e Porto Alegre, dentre outros.

De acordo com uma fonte da rede Iguatemi, as unidades seguiam o protocolo definido junto à Abrasce, como aferição de temperatura na entrada, reforço da limpeza interna e distanciamento entre os consumidores, como espaço de três degraus nas escadas rolantes. Ainda, a limitação de frequentadores era de 20% da capacidade total.

Até a última quinta-feira (2), a Ancar Ivanhoe permanecia com 5 dentre suas 24 unidades fechadas. “Quatro unidades tiveram que fechar após a reabertura, mas estamos atentos para as possíveis mudanças e nos preparando para uma nova retomada”, afirma nota enviada pela administradora à Smartus.

Segundo a Abrasce, são mais de 105 mil lojas em shoppings de todo o Brasil. “[As administradoras] têm feito diversas negociações para saúde e manutenção dos negócios”, afirma a associação. Até o momento, foram R$ 3,5 bilhões em adiamento e suspensão dos pagamentos dos lojistas.

“Com isso, conseguimos reter grande parte [dos contratos] e a média de fechamento está abaixo de 10%, o que é positivo, visto o cenário econômico crítico em que todos nós nos encontramos”, completa a Abrasce.

No Iguatemi, a vacância antes da pandemia na média das 16 lojas ficava entre 3% e 4%, segundo a fonte ouvida pela Smartus.

“Obviamente que houve uma perda enorme e isso vai ser sentido nos resultados do 2º trimestre, mas não temos a informação do lojista se vai devolver ou não, então não dá para estimar a vacância, se 10%, se 15%”. Ainda segundo a fonte, a rede vai manter as políticas de descontos.

Segundo a assessoria da Ancar Ivanhoe, a empresa está acelerando investimentos na estratégia multicanal dos shoppings e adotou, logo no primeiro momento, “diversas concessões aos lojistas nas cobranças de condomínio, fundo de promoção e isenções de aluguel”.

A Abrasce informa que entre 2 de março e 28 de junho houve queda acumulada das vendas de 67,6%. “Porém, já se observa uma desaceleração na queda semana a semana, principalmente nas regiões que iniciaram a retomada primeiro, de forma gradual e em segurança. Na média, as vendas sobem entre 1 p.p. e 2 p.p. a cada semana no que diz respeito ao resultado acumulado do período, o que mostra que, apesar de não estarmos em um cenário ideal, temos conseguido nos movimentar”.

Deu em Smartus

Ricardo Rosado

Descrição Jornalista