Judiciário 15/06/2020 10:52

Pesquisa revela que STF é bem avaliado somente por 23% dos brasileiros

O STF (Supremo Tribunal Federal) é bem avaliado por somente 23% dos brasileiros, segundo levantamento do DataPoder360 divulgado nesta 2ª feira (15.jun.2020).

O STF (Supremo Tribunal Federal) é bem avaliado por somente 23% dos brasileiros, segundo levantamento do DataPoder360 divulgado nesta 2ª feira (15.jun.2020).

Aqueles que acham o trabalho dos ministros da Corte Suprema “ruim” ou “péssimo” somam 26%.

A avaliação do Supremo como regular é a mais comum: 43%.

A percepção sobre a Corte é pior do que a do governo, aprovado por 28% dos entrevistados, de acordo com o DataPoder360 divulgado na última 5ª feira (11.jun.2020).

A pesquisa foi realizada de 8 a 10 de junho pelo DataPoder360, divisão de estudos estatísticos do Poder360, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 2.500 entrevistas em 518 municípios nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais.

O STF é a mais alta instância do Poder Judiciário.

É responsável pela guarda da Constituição Federal, julgando questões de constitucionalidade.

A Corte é composta por 11 ministros: Dias Toffoli (presidente), Luiz Fux, Celso de Mello (decano), Marco Aurélio Mello, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Cármen Lúcia, Rosa Weber, Roberto Barroso, Edson Fachin e Alexandre de Moraes.

Os dados confirmam a insatisfação de apoiadores do presidente com o Supremo. Entre os que consideram o trabalho da Corte como “ruim” ou “péssimo”, somente 17% desaprovam o chefe do Executivo. A diferença é significativa para os que aprovam Bolsonaro neste grupo: 40%, ou 23 pontos percentuais a mais.

Em contraste, dentre os que consideram o trabalho do STF como “ótimo” ou “bom”, 25% desaprovam o governo do presidente Jair Bolsonaro e 20% aprovam.

Apoiadores de Bolsonaro organizam com frequência atos contra a Corte nas ruas e nas redes sociais.

Em 31 de maio, dias antes da pesquisa ser realizada, o presidente participou de 1 dos protestos em Brasília. Na ocasião, Bolsonaro afirmou que “não dá para admitir” atitudes individuais “de certas pessoas”. Referia-se à autorização do ministro Alexandre de Moraes, do STF, para a realização de uma operação da Polícia Federal contra fake news, que atingiu pessoas próximas do governo.

No mesmo dia, o ministro Celso de Mello enviou uma mensagem a colegas da Corte em que citou a possibilidade de intervenção militar e comparou o Brasil à Alemanha de Adolf Hitler.

O levantamento indica ainda o impacto do desgaste entre o Executivo e o Legislativo que se intensificou no último mês com decisões do Supremo que limitaram o poder do Planalto, a autorização de divulgação de reunião ministerial, o avanço de investigações do inquérito das fake news e a investigação sobre suposta interferência de Bolsonaro da Polícia Federal. Apoiadores do presidente acabam se voltando mais contra a Corte.

Deu em Poder360

Ricardo Rosado

Descrição Jornalista