Brasil 04/06/2020 11:35

Covid-19: Idosos refletem mais sobre o fim da vida, revela pesquisa

O movimento de transformação liderado pelos maduros está alterando a percepção e relação que temos do fim da vida. A Revolução da Longevidade – que movimentou a Economia Prateada nos últimos cinco anos – está prestes a acontecer, também, com a finitude.

O movimento de transformação liderado pelos maduros está alterando a percepção e relação que temos do fim da vida.

A Revolução da Longevidade – que movimentou a Economia Prateada nos últimos cinco anos – está prestes a acontecer, também, com a finitude.

Problemas de consumo não resolvidos e produtos de baixa tecnologia não centrados no ser humano estão com os dias contados.

Aos poucos, esse mercado começa a ganhar força com agetechs que mostram as oportunidades de alterar a relação das pessoas com o finamento.

Essa nova face da morte pode ser mais real, afetiva e prática; o tabu cede lugar ao diálogo e a surpresa é atenuada pelo planejamento.

Para entender a relação do brasileiro com a finitude – sobretudo em tempos de pandemia da Covid-19 – a startup Janno conduziu a pesquisa Plano de Vida & Legadoem parceria com a MindMiners. Entre as análises, a forma como os 50+ se planejam para a segunda metade da vida.

Conduzida com 1.053 brasileiros com mais de 45 anos, a pesquisa inova ao pautar análises da relação do cidadão maduro com o novo formato e perspectiva de vida, que agora esticou.

O estudo mostra que há um território vasto a ser explorado por vários segmentos do consumo e startups, inclusive de planejamento de fim da vida.

“Estamos no século da velhice da humanidade e, se seguirmos os passos dos 30 milhões de brasileiros com mais de 60 anos, vamos viver mais nessa fase da vida do que em todas as outras. Portanto, em uma idade na qual, por gerações, o fim parecia próximo, sabemos que o melhor da vida está apenas começando. Assim, as quase 60 milhões de pessoas que já passaram dos 50 anos, desenham um novo modo de envelhecer. Nele, os sonhos são restaurados, os desejos se avivam, a liberdade é o maior valor – e um novo plano de vida começa a ser escrito”, analisa Layla Vallias, cofundadora da Janno.

Maior que a população da Espanha, os maduros com mais de 50 anos já somam quase 60 milhões no Brasil; em pouco tempo, seremos o sexto país mais velho do mundo.

Pela primeira vez na história, a humanidade tem mais tempo para viver; sonhar; reinventar a vida, a carreira, os relacionamentos e a própria trajetória.

A chave está em desenvolver novos territórios nos quais o capital social e intelectual lapidado em décadas possa redefinir padrões de consumo e comportamento.

Conduzida de forma online com 1.053 brasileiros pela Janno e MindMiners entre fevereiro e março de 2020, a pesquisa Plano de Vida & Legado conta com 1053 entrevistados com idades entre 45 e 54 anos; 359 entre 55 e 64 anos; e 122 com mais de 65 anos. A maioria dos respondentes é formada por mulheres (712); entre os entrevistados, 747 são do Sudeste; 121 do Sul; 86 do Nordeste; 66 do Centro-Oeste; e 33 do Norte.

Fonte: Assessoria

Ricardo Rosado

Descrição Jornalista