Constituição 03/05/2020 10:17

Dias Toffoli diz não haver risco de ruptura institucional

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) disse que o Brasil não corre risco de sofre uma ruptura institucional porque as instituições do país são fortes e equilibradas entre si. A afirmação foi feita em entrevista publicada nesse sábado (2.mai.2020) ao jornal argentino Clarín.

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) disse que o Brasil não corre risco de sofre uma ruptura institucional porque as instituições do país são fortes e equilibradas entre si. A afirmação foi feita em entrevista publicada nesse sábado (2.mai.2020) ao jornal argentino Clarín.

Toffoli declarou que a forma de falar do presidente Jair Bolsonaro talvez “não seja a mais apropriada”, mas destacou que o líder brasileiro, mesmo diante da pandemia e da instabilidade política pela qual o Brasil passa, respeita as decisões dos outros Poderes.

Na entrevista, Toffoli ressaltou que mais de 50 milhões de pessoas no Brasil que não têm emprego formal estão recebendo 1 auxílio emergencial R$ 600. Ressaltou que o Congresso Nacional e o Supremo, informatizados, continuam trabalhando.

O ministro comentou a decisão de Alexandre de Moraes que barrou a posse de Alexandre Ramagem na direção geral da PF (Polícia Federal). Questionado se isso não gerou embaraço na relação entre Judiciário e Executivo, o presidente do Supremo disse que a determinação foi tomada justamente no campo do sistema de freios e contrapesos, e frisou não vislumbrar riscos nas relações institucionais.

Toffoli destacou que já teve 1 trabalho de convivência com todos os chefes de Poder do país. “Neste relacionamento, vejo respeito pela institucionalidade. Apesar de a imprensa –que faz 1 trabalho responsável– destacar que não está indo indo bem e o que não está funcionando, há muitas coisas que funcionam”.

Em relação ao posicionamento do presidente Jair Bolsonaro que, por vezes, critica o isolamento social para evitar contaminação com o novo coronavírus, o chefe do Judiciário brasileiro defendeu que o presidente tem de se preocupar com a economia também, mas que as respostas dele talvez não sejam as mais adequadas. “Pode ser que a forma prejudique o conteúdo”. O magistrado, entretanto, lembrou que o ministro da Saúde, Nelson Teich, já ressaltou a necessidade do isolamento.

Toffoli também comentou a demissão de Sergio Moro do Ministério da Justiça e Segurança Pública. Pontuou que não haverá retrocesso no combate à corrupção no país com a baixa do nome que era o mais popular do Executivo.

Deu em Poder360

Ricardo Rosado

Descrição Jornalista